Defesa do Ramal da Lousã rejeita sistema de mobilidade em "metrobus"

Defesa do Ramal da Lousã rejeita sistema de mobilidade em

O investimento de 89,3 milhões de euros no denominado "sistema metrobus", a candidatar a fundos europeus, inclui a infraestrutura e um total de 43 autocarros elétricos, sendo 30 de 55 lugares sentados, para o troço suburbano da rede, entre Serpins e Coimbra, e 13 articulados de 130 lugares sentados e em pé, para a área urbana da capital do distrito.

Pedro Marques apresentou o novo projeto, afirmando que este prevê uma solução "mais favorável" para as populações do que a ferrovia ou o metro ligeiro.

O governante, responsáveis do LNEC e da Infraestruturas de Portugal (IP) realçaram que o estudo procura responder a exigências da União Europeia, designadamente ao nível da sustentabilidade financeira e ambiental do investimento, que vai substituir o sistema de metro projetado há 21 anos pelo Estado e os três municípios que integram a Metro Mondego.

As duas concentrações foram apoiadas pelo movimento Lousã pelo Ramal e pelo Movimento de Defesa do Ramal da Lousã (MDRL), além dos principais dinamizadores de uma petição com mais de 8.000 assinaturas, promovida pelo jornal Trevim, da Lousã, que foi entregue na Assembleia da República em março de 2016.

A opção pelos autocarros elétricos surge após um estudo feito pelo Laboratório Nacional de Engenharia Civill (LNEC) com o argumento de que a ferrovia, ao não passar pelos centros das cidades afastaria passageiros para um serviço essencial para as populações.

A iniciativa começou às 09:00, com a chegada dos primeiros manifestantes junto aos Paços do Concelho.

Nas empreitadas realizadas, foram gastos mais de 140 milhões de euros, segundo diferentes estimativas, apresentando-se o antigo canal ferroviário abandonado e invadido por mimosas e outras vegetações. Na altura, também pelo Governo à época foi dito: ou é a solução metro ou nada e as Câmaras aceitaram, embora um pouco condicionadas, essa solução, e agora estamos perante uma solução semelhante. E o que vem dizer é que é por razões técnicas que isso acontece.

O presidente do município de Miranda do Corvo mostrou-se confiante com as garantias do ministro Pedro Marques, salientando que "o Governo não tem desiludido, tem obtido bons resultados, alguns além das melhores expectativas, pelo que também neste dossiê penso que vai dar provas de funciona e executa bem".

Pureza lamentou que não esteja a ser cumprido o desígnio de se projetar um "transporte ferroviário de qualidade, rápido, que fosse idêntico àqueles que circulam nas cidades ou nas manchas urbanas europeias idênticas à de Coimbra".

O PCP também requereu a audição do ministro e das comissões de utentes do ramal ferroviário da Lousã na Comissão de Economia, segundo revelou fonte do grupo parlamentar comunista.

Relacionado:

Comentários

Últimas notícias

Marcelo Rezende desmente boatos sobre saúde debilitada: "Estou bem"
Portanto, eu estou bem, atravessando todo o meu caminho da maneira que deve ser, mas guiado pelo Altíssimo. Antes de iniciar o tratamento, Marcelo passou uma semana em um retiro espiritual.

Schwarzenegger critica Trump por sair de pacto e pede 'revolução' climática
Não podemos ficar sem fazer nada enquanto pessoas estão adoecendo e morrendo, especialmente quando você sabe que há uma outra maneira".

EUA aplica sanções a empresas russas por Coreia do Norte
Ele viaja nesta semana também para a Austrália, onde se unirá ao secretário de Estado, Rex Tillerson. Os EUA, porém, conseguiram convencer a China a votar a questão em uma reunião aberta.

Empresário de SG é preso com 60 fuzis para o tráfico
Os fuzis estavam escondidos dentro de oito aquecedores de piscina, produtos supostamente importados por uma empresa do Rio. Para o secretário, o combate ao tráfico de armas passa pela implantação de um pacto nacional e pelo aumento nas punições.

Outras notícias