Joesley Batista volta ao Brasil e presta esclarecimentos à PGR

Silvia Costanti  Valor

Nos últimos dias, o setor jurídico do grupo J&F, que detém a JBS, vem dando continuidade às investigações internas para oferecer à Procuradoria-Geral da República (PGR) dados complementares à colaboração premiada dos executivos da empresa. Além dele, o executivo da JBS Ricardo Saud também foi ouvido na segunda. Conforme o texto, Joesley saiu do país para proteger a integridade de sua família, "que sofreu reiteradas ameaças" desde que ele decidiu fechar acordo de delação premiada com a Operação Lava Jato.

Para complementar: "Joesley Batista estava na China - e não passeando na Quinta Avenida, em Nova York, ao contrário do que chegou a ser noticiado e caluniosamente dito até pelo presidente da República".

Pivô da maior crise política envolvendo o governo Temer, o empresário Joesley Batista está no Brasil desde o último domingo.

Na delação, Joesley Batista narrou que, em 2009, foi criada uma conta para receber os repasses relacionados a Lula e, no ano seguinte, outra foi aberta para envio de valores relacionados a Dilma.

"O depoente escriturou em favor de Guido Mantega, por conta desse negócio, crédito de 50 milhões de dólares e abriu conta no exterior, em nome de offshore que controlava, na qual depositou o valor", relatou Joesley.

Na nota, a empresa informou que ele não revelou que estava na China "por razões de segurança", e viajou ao exterior "com autorização da Justiça Brasileira".

Em nota, sua assessoria disse que "Joesley é cidadão brasileiro, mora no Brasil, paga impostos no Brasil e cria seus filhos no Brasil".

Joesley não vinha ao Brasil desde que envolveu o presidente da República, Michel Temer, num escândalo de corrupção. O depoimento foi autorizado pelo juiz Ricardo Leite.

O documento diz que o empresário "está à disposição do Ministério Público e da Justiça brasileiros". O Supremo Tribunal Federal (STF) instaurou inquérito contra o presidente por suposto crime de corrupção, organização criminosa e obstrução à Justiça.

Uma das investigações que podem causar maiores problemas para Joesley foi deflagrada na última sexta-feira pela Polícia Federal. O comunicado informa ainda que o empresário estava na China, e não "passeando na Quinta Avenida", nos Estados Unidos. O proprietário do grupo J&F relatou ter participado de pelo menos 20 encontros com o peemedebista.

Relacionado:

Comentários

Últimas notícias

Filtros de óleo Mahle
Os filtros de óleo da Mahle são capazes de manter a quantidade do óleo a todos os momentos. Estes cartuchos são feitos de papel para assegurar que são amigos do ambiente.

Após demissões, Uber estuda afastar presidente-executivo
O conselho está considerando a proposta de manter Kalanick afastado durante alguns meses com uma "licença". A multinacional passa por uma reforma da direção em meio a acusações de machismo e abuso sexual.

Cesar Tralli e Ticiane Pinheiro anunciam noivado e comemoram na web
Os pombinhos, que já terminaram e voltaram pela terceira vez, anunciaram nas redes sociais que estão noivos em tom de comemoração. Ticiane Pinheiro deu uma notícia animadora aos fãs pelo Instagram, na noite deste domingo (11).

Por apoio, Temer reúne governadores para discutir alívio financeiro
Segundo Dias, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, se comprometeu a agilizar a liberação de R$ 7 bilhões em garantias. O banco quer inserir nos novos contratos alguma garantia de que os Estados vão aprimorar a gestão dos gastos públicos.

Outras notícias