"Eu não comprei uma casa à Teixeira Duarte" — Medina

Medina vendeu antiga casa por 490 mil euros

"Eu percebi quem era a proprietária no momento em que adquiri a casa". Tive como motivo ter residência próxima da família, para bem-estar de todos.

Em declarações à TVI 24 ontem, Medina acusou mesmo "fonte partidária em candidaturas adversárias" de estar a passar informações "falsas" aos jornais, argumentando que "desconhecia qual o posicionamento da proprietária na hierarquia da família [Teixeira Duarte], as suas relações com o grupo" e que não comprou "uma casa à Teixeira Duarte", mas "um apartamento em frente aos meus sogros". Paguei um valor totalmente em linha com o mercado e os praticados neste imóvel.

"A casa, com 12 anos, na zona das Avenidas Novas, com uma área bruta privativa de 182 m2, foi adquirida pelo valor de 645 mil euros, a que corresponde um preço por metro quadrado de 3544 euros". Recorri a financiamento bancário para pagar a compra. E garante ainda que em agosto de 2016 atualizou a sua declaração do Tribunal Constitucional para incluir a referência a esse negócio.

"No site medina2017.pt descrevo com todos os passos e comprovo, com todos os documentos associados à compra da casa, que agi como todos os cidadãos de bem".

Em resposta enviada à agência Lusa, a PGR confirma que "a matéria relativa à compra do imóvel é referida numa denúncia anónima recebida na Procuradoria-Geral da República em finais de agosto" e que a participação foi remetida ao Departamento de Investigação e Ação Penal de Lisboa, "onde se encontra em investigação".

Confrontado pelo Observador, Fernando Medina sublinhou que tinha comunicado ao Constitucional o pagamento do sinal: "A aquisição do imóvel em questão, através do contrato promessa, foi prontamente comunicada ao Tribunal Constitucional tendo igualmente sido referido que o remanescente seria adquirido com recurso a crédito bancário".

"Assim, quer a aquisição do imóvel e respectiva identificação, quer a contratação de um empréstimo, estão inquestionavelmente declarados ao Tribunal Constitucional", explica o presidente da Câmara de Lisboa, que não pondera fazer uma rectificação à declaração.

Ao Observador, Fernando Medina explicou esta situação de acordo com a sua opinião.

O presidente da Câmara de Lisboa, Fernando Medina, diz que polémica sobre a compra de uma casa nas Avenidas Novas assenta em "factos falsos" que "ofendem" a sua honra.

Relacionado:

Comentários

Últimas notícias

PDV de servidores: governo abre programa de demissão voluntária de funcionários públicos
Para os que aderirem à redução de jornada , há duas opções: migrar de 40 horas semanais para 20 horas ou para 30 horas semanais. A portaria veda a participação dos ocupantes dos cargos de perito médico previdenciário e supervisor médico pericial do INSS.

Polícia isola áreas em Moscou após múltiplas ameaças de bomba
Nesta quarta-feira, além de Moscou, alertas de bomba foram emitidos em várias cidades da Sibéria e do Extremo Oriente russo. O país recebeu nesta semana uma série de alarmes falsos de bomba, realizados através de chamadas telefônicas anônimas.

Após México, Peru expulsa embaixador da Coreia do Norte
Os mísseis Taurus, usados no exercício, são desenvolvidos pelo consórcio europeu de aeroespacial e defesa Eads. O teste foi realizado nesta terça-feira (12) em Taean, a 150 quilômetros de Seul.

Depois de Joesley, o irmão Wesley Batista é preso em São Paulo
A pena prevista é de um a cinco anos de prisão, além de multa de até três vezes o total que lucraram com as ações investigadas. O escritório da J&F, empresa controlada pelos irmãos Batista, também foi alvo de operação da PF.

Outras notícias