Janot denuncia Temer por obstrução à Justiça e organização criminosa

Janot denuncia Temer por obstrução à Justiça e organização criminosa

Ignora deliberadamente as graves suspeitas que fragilizam as delações sobre as quais se baseou para formular a segunda denúncia contra o presidente da República, Michel Temer. O advogado Antônio Cláudio Mariz de Oliveira alegava que Janot tem perseguido o presidente e age por motivos políticos, por isso não teria condições de continuar conduzindo as investigações.

A posição unânime do Supremo é um indicativo de respaldo a Janot, desgastado em seu final de mandato em razão da eventual rescisão do acordo de delação da J&F.

O procurador-geral falou ainda da "coragem" do tribunal ao analisar os casos da "lava jato" envolvendo investigados com foro especial por prerrogativa de função e destacou que a corte respeitou as leis e a constituição em suas decisões nos processos sobre o caso.

No voto proferido nesta quarta-feira (13), o relator disse que não há indícios de que Janot atuou de forma imparcial e com "inimizade" em relação a Temer, conforme foi alegado pela defesa do presidente. A defesa levantou a discussão justamente por causa dos fatos apontados por Janot que colocaram em dúvida a legitimidade da delação, usada na nova acusação contra o presidente por obstrução de Justiça e organização criminosa.

"Não houve por parte do presidente da República, ao contrário do que afirma a denúncia, nenhuma ação em que ele tivesse solicitado, recebido, favorecido, ou aceitasse benesse", disseMariz ao subir à tribuna.

A defesa do presidente apresentou nesta mesma quinta-feira uma petição ao STF pedindo que a denúncia só seja enviada para que a Câmara dos Deputados decida sobre a autorização para o Supremo na próxima quarta-feira.

O procedimento adotado por Fachin hoje difere daquele adotado na primeira denúncia contra Temer, por corrupção passiva, em junho deste ano. Na segunda-feira, ele será sucedido por Raquel Dodge.

A nova acusação contra Temer chegará num momento em que o acordo de colaboração da JBS foi colocado em xeque. A suposta interferência teria ocorrido por meio dos empresários da JBS, Joesley Batista e Ricardo Saud, que também são acusados do mesmo crime. O áudio foi entregue pelos delatores no dia 31 de agosto.

O ex-procurador pediu o desligamento do Ministério Público Federal no dia 23 de fevereiro, mas a saída foi oficializada em 5 de abril. "Michel Temer dava a necessária estabilidade e segurança ao aparato criminoso, figurando ao mesmo tempo como cúpula e alicerce da organização". O ex-procurador nega as irregularidades e diz que não usou o cargo público para favorecer a JBS.

Relacionado:

Comentários

Últimas notícias

Restaurante de Henrique Fogaça em Pinheiros é alvo de assalto
De acordo com os dados da Polícia Militar, a dupla invadiu o estabelecimento comercial e, durante a ação, colocaram os clientes e funcionários na despensa do restaurante .

Receita paga hoje 4º lote de restituição do IR
A Receita também oferece aplicativos para tablets e smartphones, que permitem a consulta às declarações do Imposto de Renda. Receita Federal vai pagar nesta sexta-feira (15) o quarto lote de restituição do Imposto de Renda de Pessoas Físicas 2017.

Justiça nega habeas corpus aos irmãos Batista, da JBS
Os dois empresários estão presos na carceragem da Polícia Federal em São Paulo , no bairro da Lapa. O crime, conhecido de " insider trading ", teria ocorrido entre abril e 17 de maio deste ano.

Filtros de óleo Mahle
Os filtros de óleo da Mahle são capazes de manter a quantidade do óleo a todos os momentos. Estes cartuchos são feitos de papel para assegurar que são amigos do ambiente.

Outras notícias