Janot pede prisão de Joesley, Saud e ex-procurador Miller

Em gravação, delatores da JBS falam em 'virar amigos de Janot'

Os empresários depuseram sobre áudios revelados nesta semana, em que eles conversam sobre a negociação da delação premiada. No caso JBS e em outras polêmicas no curso da Lava Jato, a opção do ministro tem sido por compartilhar com o colegiado o tema para que o plenário dê a palavra final.

Os advogados de Joesley Batista, Saud e Miller colocaram os passaportes dos clientes à disposição do STF e pediram para eles serem ouvidos pelo ministro Fachin.

Desde esta terça-feira, quando foram revelados os áudios com o diálogo entre os executivos, há um sentimento de indignação entre membros do STF. Ao invés de determinarem na hora a prisão dos delinquentes da JBS, Janot e Fachin deram a eles salvo-condutos vitalícios.

O pedido de prisão está sob sigilo – nem a PGR (Procuradoria Geral da República) nem o Supremo confirmam que foi enviado. Miller continua a prestar depoimento na noite desta sexta-feira na sede da Procuradoria Regional da República da 2ª Região, no Centro do Rio. Ela teria ocorrido involuntariamente. Rodrigo Janot está decidido a revogar os benefícios dados ao empresário e aos funcionários da J&F que fizeram delaçãoO procurador-geral monitorou o dia monitorando, a distância, o depoimento de Joesley e dos executivos da J&F Ricardo Saud e Francisco de Assis. Com essa gravação, eles pretendiam conseguir um acordo de delação premiada mais vantajoso. Na conversa que provocou a celeuma atual, são citados em contextos derrogatórios os nomes de pelo menos 3 ministros do STF: Cármen Lúcia (presidente da Corte), Gilmar Mendes e Ricardo Lewandowski. O grau de envolvimento de Miller, ex-braço-direito do procurador geral Rodrigo Janot, na delação da JBS, com suspeitas de que a participação tenha se iniciado, ainda, quando ele (Miller) era procurador, constitui-se no nó górdio da história.

Fontes com acesso aos depoimentos informaram à TV Globo que Joesley disse nesta quinta que acreditar no audio é como acreditar em dois bêbados dizendo que a Coreia do Norte vai invadir os EUA. Todos os nossos compradores.

Joesley e Saud já emitiram uma nota negando a veracidade do que disseram no áudio de 17 de março e pedindo desculpas aos citados.

Para a equipe de Janot, os delatores podem ter omitido informações de má-fé, o que poderia justificar a revogação do benefício de imunidade penal concedido aos delatores. As provas entregues, no entanto, continuam válidas. "As declarações dele (Miller) não interessam para o MP?", questionou a defesa. Os executivos da JBS negam irregularidades.

Relacionado:

Comentários

Últimas notícias

Senhorios podem aumentar rendas em 1,12% em 2018
O impacto do aumento de 1,12% numa renda de 300 euros mensais é de 3,90 euros, atingindo os 7.20 euros num renda de 600 euros. Nas chamadas rendas mais antigas, de valor significativamente mais baixo, o impacto é significativamente menor.

Categoria reduzida para 2 na passagem pela Florida — Furacão Irma
O ministro do Interior da Holanda, Ronald Plasterk, afirmou que saques foram reportados na parte holandesa de St. Trezentas mil pessoas estão sem energia elétrica na região do Caribe, de acordo com a rede CNN .

Organizada do São Paulo pede reunião com jogadores, diretoria e presidente
O pedido desculpas público se aplicou a Caio e a todo o grupo do São Paulo, de acordo com o titular da seleção peruana. Estamos todos defendo o São Paulo. "Todos são profissionais e têm a sua consciência, sabem o que precisam melhorar".

Ex-procurador Marcello Miller presta depoimento hoje no Rio
O advogado da empresa, Francisco de Assis, que também é delator, foi o primeiro chegar e o primeiro a depor. O ex-procurador foi exonerado no início de abril da PGR.

Outras notícias