Metade dos alunos entre o 10º e 12º anos chumba pelo menos uma vez

Rui Duarte Silva

Os primeiros alunos abrangidos pela escolaridade obrigatória até aos 18 anos chegaram ao fim do 12.º ano no ano letivo 2014/2015.

Terminar o ensino secundário, que vai do 10.º ao 12.º, continua a ser um desafio ciclópico em Portugal, mesmo para quem não abandona a escola. Nos restantes países, em média, 68% dos alunos terminam o secundário dentro do período previsto.

Nas contas da OCDE há, portanto, 61% dos estudantes nacionais que acabam o secundário em cinco anos, 4% que permanecem nas escolas ao fim de cinco anos, ainda a terminar, e 35% que desistem sem ter concluído esta fase. Esta é a percentagem mais elevada de abandono sem finalização do ensino secundário que é registada na OCDE, sublinha o Education at a Glance.

O caso de Portugal merece referência especial no relatório anual do organismo internacional, juntamente com o Chile, que tem um problema semelhante. "Nestes países, o atraso na conclusão do ciclo de estudos pode ser um sinal de que há estudantes que estão a ficar para trás e a correrem risco de abandono", pode ler-se na conclusões.

O único indicador onde Portugal se destaca positivamente é na conclusão do ensino secundário por maiores de 25 anos.

O facto tem consequências várias, sobretudo a nível do emprego.

O caso português tem uma outra especificidade.

"Ao contrário de muitos países com dados disponíveis, o ensino profissional em Portugal é mais bem-sucedido em manter [na escola] até à graduação do que o ensino científico-humanístico".

O estudo foi realizado em 2015 incidindo sobre a população entre os 15 e os 20 anos, isto é, em idade de frequentar o ensino secundário.

Cerca de 40% dos professores portugueses tem mais de 50 anos e apenas 1% tem menos de 30 anos. Enquanto, nos programas gerais 59% conclui este nível, no ensino profissional, a percentagem sobe para 64%. Foi o aumento mais elevado de toda a OCDE.

O relatório aponta ainda o crescimento da frequência no ensino pré-escolar na última década, que a partir dos três anos está já em percentagens acima da média da OCDE, o que leva a organização a considerar que Portugal está a dar "passos na direção certa rumo ao objetivo de universalizar até 2020 a educação pré-escolar para as crianças entre os três e os cinco anos".

Relacionado:

Comentários

Últimas notícias

Vale tem interesse em usinas da Cemig via Aliança
A participação na licitação, se aprovada, se daria por meio da Aliança Energia, uma joint venture entre a mineradora e a Cemig na área de geração de eletricidade, disse a Vale em nota.

Torcida do Cruzeiro esgota ingressos para final da Copa do Brasil
A final entre Cruzeiro e Flamengo , pela Copa do Brasil , no dia 27 de outubro, terá o Mineirão abarrotado de torcedores. Para levantar a taça, os dois times precisam vencer, já que o fator gol fora não conta na decisão da Copa do Brasil .

Alex Telles: "Não podemos abdicar da nossa forma de jogar"
Ideias de Conceição potenciam o rendimento: "A estratégia em cada partida é diferente, sinto-me muito à vontade, muito confiante. Quaresma: "Quaresma é um grande jogador, tem uma história muito bonita aqui. É uma responsabilidade boa, partilhada por todos".

Leandrinho rompe ligamento do joelho e não volta a atuar em 2017
Um jogador muito forte na marcação, mas estamos bem servidos na posição e teremos o Gilson muito motivado também. Acabamos ficando fora da Copa do Brasil , já passou, e agora vamos enfrentar mais um campeão da Libertadores.

Outras notícias