Médica proíbe sexo para time antes de jogo contra o Liverpool

Decisão do Liverpool deixa BBC em choque

Esta foi a recomendação dada pela clínica da equipa de futebol russa, que irá jogar contra o Liverpool esta quarta-feira, dia 6 de dezembro, às 19:45, no estádio Anfield, em Liverpool, na Inglaterra. Um jogo que é decisivo na continuação da equipa na Champions League. Para ficarem com o foco total na partida, os jogadores foram proibidos de fazer sexo nos dias que antecederam o confronto. "Do ponto de vista médico, o sexo só estimula a capacidade de trabalho das mulheres". Nas artes marciais, se uma mulher lutar cinco ou dez minutos depois de ter relações sexuais os seus resultados vão ser melhores. "Mas nos homens funciona ao contrário", garantiu a médica do clube russo, em declarações à imprensa local.

Recorde-se que Liverpool (primeiro classificado, nove pontos) e Spartak Moscovo (terceiro colocado, seis pontos) encontram-se separados por três pontos. O Sevilha segue na segunda posição, com oito pontos, enquanto o Maribor é quarto, com apenas dois pontos.

Relacionado:

Comentários

Últimas notícias

Indígenas protestam contra parecer sobre demarcação e são recebidos por ministra
Um grupo de aproximadamente 90 indígenas ocupou, na manhã desta quarta-feira, 6, a sede da Advocacia-Geral da União (AGU). Para o Conselho Indigenista Missionário (Cime), a medida restringe o direito ao reconhecimento das terras tradicionais.

Copom anuncia décimo corte consecutivo e Selic chega a 7% ao ano
O ritmo de corte caiu para 0,75 ponto em outubro e para 0,5 ponto na reunião de ontem. O Copom só voltou a realizar cortes nos juros em outubro do ano passado.

Cabral: anel de empreiteiro foi 'presente de puxa-saco'
Cavedish afirmou em depoimento que o anel serviu como porta de entrada para a Delta participar das obras. O meu então vice-governador Pezão foi nomeado por mim secretário de Obras.

Deputados do PMDB decidem fechar questão a favor de reforma da Previdência
A expectativa é de que a legenda decida pelo fechamento para obrigar os 60 deputados da sigla a votarem a favor da proposta. O governo, porém, pretende seguir firme e resistir às investidas por mais flexibilizações, apurou o Estadão/Broadcast .

Outras notícias