MPF denuncia Mantega e Foster por manipulação no preço da gasolina

Ex-ministro da Fazenda Guido Mantega é acusado de improbidade administrativa

O Ministério Público Federal no Rio de Janeiro está processando, por improbidade administrativa, a ex-presidente da Petrobras Graça Foster e o ex-ministro da Fazenda Guido Mantega, por manipulação de preços de combustíveis e consequente prejuízo bilionário à estatal.

Os procuradores acusam Mantega, Foster e outros ex-integrantes do Conselho de Administração da Petrobras de manipular a política de preços da gasolina para represar a inflação em 2013 e 2014.

Também foram processados Francisco Roberto de Alburquerque, Luciano Galvão Coutinho, Marcio Pereira Zimmermann e José Maria Ferreira Rangel.

Tal comportamento ocorreu mesmo o Conselho ter sido alertado pela diretoria da Petrobras da necessidade de concessões de reajustes e de convergência com os preços internacionais para o equilíbrio econômico-financeiro da estatal. Caso o governo não atingisse a meta, o Banco Central teria que enviar uma carta ao Congresso Nacional justificando o discumprimento. Na época o atual presidente Michel Temer era candidato a vice-presidente de Dilma.

Relacionado:

Comentários

Últimas notícias

Sara Sampaio mostra sensualidade nas artes marciais
Sara Sampaio mostra as partes íntimas numa produção ousada para o famoso calendário do advento da revista espanhola Love. Adorei que este ano o tema tenha sido desporto.

Valve anuncia Bridge Constructor Portal para PC, consoles e smartphones
Bridge Constructor Portal será, como o nome sugere, um jogo de construção de pontes, como os muitos que existem por aí, mas com o uso da mecânica que dá nome à franquia.

Hazard dá 'nega' ao Chelsea e espera pelo Real Madrid
Junto com isso, uma multa de rescisão e o tempo de contrato alongado, dificultariam a saída de Hazard para qualquer interessado. Conta o prestigiado jornal britânico que o camisola 10 dos bleus aguarda um possível convite do Real Madrid no verão de 2018.

Sem obstrução, CCJ aprova PEC das Diretas
O relatório aprovado ainda precisa ser analisado por uma comissão especial antes de ser apreciado pelo plenário da Câmara. Por se tratar de uma mudança na Constituição, a proposta precisa ser aprovada por ao menos 308 deputados, em dois turnos.

Outras notícias