Juiz federal suspende medida provisória que permite privatização da Eletrobras

Juiz federal suspende medida provisória que permite privatização da Eletrobras

O minsitério rebateu os argumentos do juiz, afirmando que, em sua exposição de motivos ao Congresso, o governo explicitou que a MP 814 não tinha o objetivo de antecipar "discussões de mérito relacionadas ao tema", que ainda serão alvo de projeto de lei.

A ação popular questionou a revogação feita pela medida provisória que excluía a Eletrobras e suas controladas (Furnas, Companhia Hidroelétrica do São Francisco, Eletronorte, Eletrosul e a Companhia de Geração Térmica de Energia Elétrica) do Programa Nacional de Desestatização.

O governo anunciou em agosto de 2017 um plano para privatizar a Eletrobras até o final deste ano.

O modelo previsto pelo governo para a privatização da Eletrobras envolve uma oferta de novas ações pela companhia que diluiria a União a uma fatia minoritária na empresa.

“Lado outro, a estratégia de governo federal de se valer do recesso do Parlamento e das principais instituições públicas envolvidas, para editar uma medida provisória, por si só, está a indicar que há risco iminente de alienação à iniciativa privada das estatais do setor elétrico, sem o devido respeito às regras constitucionais de edição de leis ordinárias, caso não intervenha o Poder Judiciário”, escreveu o juiz. Ao menos desde os governos de Eduardo Campos (2006-2014), irmão do advogado Antônio Campos, a empresa tem a ocupação de seus cargos influenciada pelo PSB.

Procurada, a Advocacia-Geral da União (AGU) informou que vai recorrer da decisão. O governo diz que a proposta visa a recuperar a competitividade da Eletrobras, que acumulou prejuízos entre 2012 e 2015, após mudanças legislativas promovidas pelo governo da ex-presidente Dilma Rousseff para reduzir as tarifas de energia.

Em nota, o MME alegou que não foi ouvido previamente na decisão e que está apresentando a manifestação legal confiando na sua consistência e reversão da liminar.

"Nada foi apontado pelo Chefe do Poder Executivo a justificar a urgência da adoção de uma Medida Provisória, "no apagar das luzes" do ano de 2017, para alterar de forma substancial a configuração do setor elétrico nacional, sem a imprescindível participação do Poder Legislativo na sua consecução", afirma o juiz no texto. Segundo o órgão, a mudança na lei provocada pela medida provisória teve o objetivo de permitir que fossem contratados estudos sobre a situação econômica e financeira da Eletrobras, para que o cronograma da privatização pudesse ser concluído no ano de 2018.

O presidente da Eletrobras, Wilson Ferreira, afirmou que a privatização deve ser concluída em 2018.

O MME disse ainda que a União não tem condições de prover os recursos de que a Eletrobras necessita.

Relacionado:

Comentários

Últimas notícias

Alemanha mais próxima de ter um governo
Horst Seehofer, da CSU, apontou a Páscoa, que este ano se comemora a 1 de Abril, como o ultimo prazo para o país ter um Executivo. Em novembro, Merkel falhou formar coligação com os democratas livres e os verdes.

Indústria cresce 2,4% no Ceará
De modo geral, novembro foi bom para a indústria brasileira, com alta de 0,20%, completando três meses de expansão. Os dados foram analisados pela Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia (SEI).

Cruzeiro vence e garante classificação à segunda fase da Copinha
Na noite desta quinta-feira, 11, São Paulo e Chapecoense se enfrentaram pela 2ª fase da Copa São Paulo de Futebol Júnior . Depois dos lampejos de Toró, quem retomou o protagonismo do jogo foi o mau tempo.

Delegado é encontrado morto próximo a favela na Zona Norte do Rio
Os passantes, então, alertaram os policiais de plantão na cabine do 22º BPM (Maré), na Praça Dario Rogério, em Benfica. De acordo com a Polícia Civil, a Delegacia de Homicídios (DH) da Capital foi acionada e está investigando o crime.

Outras notícias