Merkel inicia negociações com sociais-democratas para formar governo

AFP  Getty Images

A 20 de Dezembro quebrou-se oficialmente o recorde de mais tempo para formar uma coligação de Governo na Alemanha e se a CDU/CSU e o SPD entrarem, como se espera, em negociações formais para uma coligação, espera-se que as negociações demorem ainda várias semanas.

Em relação às conversas exploratórias, os partidos concordaram em não dar informações aos media até ao final das mesmas, previsto para quinta-feira. No entanto, há ainda obstáculos que poderão impedir, ou pelo menos dificultar, um acordo final de Governo.

Mas o fim definitivo do impasse ainda está longe: depois de concluídas as negociações - e face ao facto de Schulz ter afirmado na campanha eleitoral que não iria aceitar uma coligação com a chanceler, o SPD decidiu, depois de concluídas as negociações, organizar um congresso extraordinário (a 21 de janeiro na cidade de Bona) para ouvir as bases sobre o que tiver sido acordado. E com o estilo de governação de Merkel, mais dado a consensos e pragmatismo, os últimos anos de governo foram vistos por muitos quase como se fosse um executivo de gestão, sem grandes reformas. Nas últimas eleições federais, o SPD obteve mesmo o pior resultado do pós-Guerra.

Políticos e comentadores admitem que as negociações poderão prolongar-se até Maio.

Apesar de haver otimismo, muitas vozes apontam que, mesmo que tudo dê certo entre conservadores e social-democratas, Berlim não deve contar com um novo governo antes do fim de março ou início de abril. O líder do SPD, Martin Schulz - ex-presidente do Parlamento Europeu - defende a criação dos "Estados Unidos da Europa" e apoia os projetos de reforma da eurozona do presidente francês, Emmanuel Macron, com um orçamento próprio e um ministro das Finanças europeu.

Três meses após as legislativas de que saiu vitoriosa, mas enfraquecida, Angela Merkel vê-se obrigada a tentar encontrar um compromisso com os social-democratas se quiser continuar a chefiar um executivo apoiado por uma maioria na câmara dos deputados.

De qualquer forma, sem o acordo preliminar de hoje, as únicas opções de Merkel seriam formar um governo minoritário ou convocar novas eleições.

Contudo, as consultas devem ser difíceis, especialmente pelas divergências entre o CSU, mais à direita que o CDU de Merkel, e o SPD no que diz respeito à política migratória e a Europa.

Nas duas outras grandes coligações lideradas por Merkel (2005-09 e 2012 até ao presente), o SPD ficou-se por um papel secundário, em grande medida incapaz de determinar o rumo do país. Desta vez as coisas podem ser diferentes, desde logo porque Angela Merkel já se mostrou disponível para inaugurar um novo período na integração europeia. Um longo processo que pode ser ainda mais longo.

Relacionado:

Comentários

Últimas notícias

El hincha de River que le pidió una foto a Tevez
Con "Wanchope" Ábila , además, lo une una amistad: a fin de 2017 disfrutaron juntos de un recital de "La Mona" Jiménez en Córdoba. En esta nueva etapa su próximo desafío internacional será la Copa Libertadores , que Boca buscará alzar por séptima ocasión.

Coreias do Norte e do Sul agendam reunião para esta segunda-feira
Na sexta-feira, Seul afirmou que a Coreia do Norte havia proposto um encontro para discutir a questão. Roh Tae-kang defendeu a ideia em uma entrevista à agência de notícias local Yonhap.

Acidente com vários veículos deixa 13 mortos e 39 feridos em MG
O acidente envolveu um caminhão que fazia o transporte de outro caminhão, dois micro-onibus, duas carretas e uma van. No início da tarde, a PRF liberou parcialmente o trânsito da pista no sentido de Montes Claros para Salinas.

Marcelo expressa "sentimentos aos familiares das vítimas" e desloca-se a Tondela
Segundo o mesmo responsável, O alerta foi dado às 20:51 e pelas 21:50 o fogo foi dado como extinto. O presidente da Câmara de Tondela, José António Jesus, considerou a situação "muito crítica".

Outras notícias