Trump admite que EUA podem voltar ao Acordo de Paris

"E eu não vou permitir que isto ocorra", disse Trump em coletiva de imprensa conjunta com a primeira-ministra da Noruega, Erna Solberg.

No âmbito do Acordo de Paris, firmado pelo Presidente Obama, os Estados Unidos comprometeram-se com uma redução entre 26 a 28 por cento das emissões de gases com efeito de estufa até 2025, face aos índices de 2005.

"O acordo tratou os Estados Unidos de forma muito injusta".

"Honestamente, não tenho problemas com esse acordo em absoluto, mas tenho um problema com o acordo que assinaram, pois, como sempre, eles concluíram um mau acordo. Temos fortes sentimentos sobre o meio ambiente ".

Os Estados Unidos anunciaram a saída do acordo em junho de 2017, tornando-se assim no único país do mundo a ficar de fora dos esforços contra o aquecimento global.

A Câmara de Nova Iorque, liderada pelo presidente Bill de Blasio, do Partido Democrata, avançou também com um processo a cinco das maiores companhias petrolíferas americanas.

Relacionado:

Comentários

Últimas notícias

Taxify é a nova concorrente da Uber, Cabify e Chofer
Para quem quiser experimentar o serviço, pode ainda adicionar o código SVE7G, que dará 3€ de crédito para usar na primeira viagem. Curiosamente, a empresa irá cobrar uma comissão de 15% aos motoristas, um valor bastante menor que os 25% que a Uber utiliza.

Trump critica imigrantes que vêm de "países de m…"
De acordo com as pessoas na reunião, o presidente disse que os EUA devem aceitar mais imigrantes de lugares como a Noruega. O The New York Times noticiou a mesma informação, citando pessoas próximas ao encontro.

Governo do Rio promete pagar salários de dezembro na próxima segunda-feira
Cerca de 49 mil professores e técnicos administrativos da Educação estão sem recber o salário de dezembro. Apesar de pagar o vencimento em dia, o Estado ainda corre para quitar o que ainda deve aos servidores.

Planalto diz que Fazenda é que vai falar sobre rating da S&P
Uma dessas medidas é a reforma da Previdência. "O mercado , em tese, já era para ter precificado que a aprovação não ia acontecer. Sem ele, os financiamentos externos para empresas brasileiras ficam mais caros.

Outras notícias