Presidente do grupo WPP deixa funções sob alegações de má conduta

Presidente do grupo WPP deixa funções sob alegações de má conduta

Sorrell, que liderou durante 33 anos o grupo que fundou, tem sido investigado pela própria empresa por uso indevido dos ativos da companhia, pelo que renunciou às funções no sábado à noite. O executivo comandava a empresa desde a sua fundação, em 1986.

O britânico, que é um dos maiores acionistas individuais e tem participação de 1,46% no grupo, nega ter cometido irregularidades. O conselho da WPP informou que as investigações "não envolviam montantes cruciais" e já foram encerradas, - embora não tenha revelado as conclusões sobre o caso. Contudo, penso que é no melhor interesse do negócio que saia agora.

Roberto Quarta é o presidente executivo interino até que um novo líder seja nomeado.

A saída de Martin Sorrell surge num momento crítico para a indústria e para o grupo, atualmente, com mais de 200 mil funcionários pelo mundo e presente em 122 mercados. O grupo tem como clientes gigantes como Ford, Unilever e P&G.

Trajetória.Aos 73 anos, Sorrell é um dos nomes mais importantes no mercado de comunicação. Mais tarde, agências como Ogilvy & Mather e Young & Rubicam também integraram a lista.

Relacionado:

Comentários

Últimas notícias

Ex-primeira-dama dos EUA tem piora e nega tratamento de saúde
Segundo a agência Associated Press, os dois estão casados há mais tempo do que qualquer casal presidencial da história americana. Bush, presidente dos Estados Unidos entre 2001 e 2009, e Jeb Bush, governador da Flórida entre 1999 e 2007.

Marcha no Rio lembra um mês da morte de Marielle
Ela explicou ainda que o ato é para que a memória de Marielle e suas lutas pelos direitos humanos não seja esquecida. A Anistia assinala também que o Brasil é um dos países que mais mata defensores de direitos humanos.

Mesmo após ataques aéreos, Assad lança ofensiva contra rebeldes na Síria
Já os americanos e aliados justificam a ofensiva como um recurso ao uso de armas químicas por parte do governo sírio contra a população de Douma.

"França não declarou guerra ao regime de Bashar al-Assad" — Macron
Ainda conforme o comunicado de Macron, o uso de armas químicas na Síria "é um perigo imediato para o povo sírio e para nossa segurança coletiva".

Outras notícias